quinta-feira, 28 de abril de 2016

FORMAÇÃO: Leitura Orante da Bíblia

Olá caríssimos missionários, 

Para um compromisso sério com a sua caminhada, vocês, crian­ças, adolescentes e jovens missionários necessitam cultivar momentos profundos de espiritualidade. A experiência tem mostrado que as cri­anças e adolescentes são capazes de viver profundamente estes momentos.

No Brasil e na América Latina existe um jeito de fazer a Leitura Orante próprio dos "pequenos", dos pobres. Os pobres entende­ram que fé e vida caminham juntas. A Palavra de Deus é para tem­perar a vida.

A sabedoria para compreender as coisas de Deus é dada so­mente aos pequeninos, aos pobres. Por isso Jesus, muito feliz, dis­se: "(...) Eu te louvo, Pai, Senhor do céu e da terra, porque escon­deste essas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste aos pequeninos. Sim, Pai, assim foi do teu agrado" (Lc 10,21).

Jesus comparou a Palavra de Deus a uma lâmpada. A lâmpada não é para ser olhada: devemos é olhar para o que a lâmpada está iluminando. Assim também a Bíblia: foi feita para ilu­minar o chão de nossas vidas. Com a sua luz, saberemos o que deve ser "consertado", para sermos novamente conforme o sonho de Deus. Misturando Bíblia e Vida, os pobres viram refletida na Bíblia a vida deles e convenceram-se de que, como na época do povo da Bíblia, em que Deus ouviu o clamor dos pobres e cami­nhou lado a lado com eles, também hoje, por meio das Escrituras Sagradas, da vida e da comunidade, Deus continua falando.

As crianças e os adolescentes missionários, alimentados pela Leitura Orante da Bíblia, mostram que amam Jesus, fazendo o que Ele fez: empenham-se pela igualdade, justiça, fraternidade, a fim de que toda a riqueza do mundo seja partilhada e todos tenham uma vida digna.

A Leitura Orante da Bíblia é como um colírio: limpa os olhos embaçados, para que se comece a enxergar com os olhos de Deus. Não é um momento de estudo, nem um tempo para preparar um trabalho pastoral: é um momento de leitura da Palavra de Deus e de escuta do que ela nos diz pessoalmente, para melhor viver o Evangelho de Jesus.

Pontos que orientam a leitura orante pessoal da Bíblia e a mística que a deve animar:

1 - Faça-se em mim segundo a tua palavra. O momento da Leitura orante da Bíblia não é um momento de estudo nem um tempo para realizar um trabalho pastoral, ou adquirir mais conhecimento. É, antes de tudo, um momento de ler a Palavra de Deus e escutar o que esta palavra tem a nos dizer para melhor viver o Evangelho de Jesus Cristo. Nesse momento é necessário ter a atitude que o velho Eli recomendou ao menino Samuel: "(...) Fala, Senhor, que teu servo escuta (...)" (1ºSm 3,9). Esta também foi a atitude obedien­te de Maria: "Faça-se em mim segundo a tua palavra” (Lc 1,38).

2 - Invocar o Espírito: É o momento em que se deve estar aberto à docilidade do Espírito Santo. Escutar Deus não depende da pessoa, mas Dele. É um momento de gratuidade por parte do Pai. Para isso é preciso um preparo vigilante na oração, no silêncio para des­cobrir o sentido que a Palavra de Deus tem para cada um, hoje.

3 - Criar um ambiente de recolhimento, que se torne o espaço sagrado. É o momento do silêncio. Lugar de recolhimento. Ler a Bíblia é como visitar um amigo. Os dois exigem o máximo de aten­ção, respeito, amizade, entrega e escuta atenta. Uma boa posição do corpo favorece o recolhimento da mente.

4 - Receber a Bíblia como Livro da Igreja. Ao abrir a Bíblia deve-se estar consciente que esse livro não é propriedade pessoal mas da comunidade. A leitura orante é o barco que nos conduz pelas curvas do rio até o mar. É luz que ilumina as noites escuras da vida. Mesmo que se esteja só realizando este momento de oração, esta­rão junto todos os que já fizeram esta experiência amorosa de Deus.

5 - Ter uma correta atitude interpretativa diante da Bíblia. Para isso deve-se estar atento a 3 passos ou atitudes:
 Conhecer, respeitar, situar, ver o que o texto diz. Para isso é im­portante manter o silêncio, evitar que se leve o texto a dizer só aquilo que se gosta de escutar.
2° É o momento da meditação: ruminar, dialogar, atualizar. Pergun­tar-se: O que o texto diz para mim, para nós? Entrar em dialogo com o texto. Ligar o texto com a vida que a gente vive, com a realidade.
3° Oração: Suplicar, louvar, recitar. O que o texto faz dizer a Deus? É o momento de prece, de vigiar em oração. Chegou a hora de se responder a Ele.

6 - Colocar-se aberto à palavra para chegar à contemplação. Enxergar, saborear, agir. Contemplar é ter nos olhos algo da sabe­doria que leva à salvação; ver o mundo, a vida com os olhos dos pobres, com os olhos de Deus; excluir de si tudo o que vem do poder; saborear, desde já, algo do amor de Deus que supera todas as coisas; o amor de Deus se revela no amor ao próximo; dizer sempre: "faça-se em mim segundo a tua Palavra" (Lc 1,38).

7 - Procurar, por todos os meios, que a interpretação seja fiel. Para que o momento da oração não fique só na conclusão dos pró­prios sentimentos é necessário levar em conta três exigências:
1ª O resultado da oração deve ser confrontado com a fé da Igreja, isto é, com a fé da própria comunidade.
2ª Confrontar com a realidade da vida em que se vive. Estar atento à fé da Igreja. O fraco resultado da oração é consequência de uma não atenta escuta da voz de Deus.
 Confrontar sempre o resultado da oração com a exegese. A leitu­ra orante não pode ficar parada na letra. Deve procurar o sentido do Espírito (2Cor 3,6).

8 - Imitar o exemplo de Paulo. São Paulo dá os seguintes conse­lhos:
1° A palavra foi escrita para a nossa instrução (1ºCor 10,11).
2° Voltar o olhar para Jesus Cristo, pois só com Ele cai o véu e a escritura se revela como sabedoria que leva à salvação.
 Paulo fala de "Jesus Cristo Crucificado", "escândalo para uns e loucura para outros" (2ºCor 2,2; 1ºCor l,21s). Foi Ele que abriu os
olhos para perceber a Palavra viva no meio dos pobres.
4° Misturar o eu e o nós, nunca só o eu e nunca só o nós!
 Ter presente os problemas: pessoais, familiares, comunitários, da Igreja, do povo, das comunidades.

9 - Descobrir na Bíblia o espelho do que vivemos hoje. Ter pre­sente que o texto que se leu não é só uma janela por onde se olha para saber o que aconteceu no passado; é também um espelho, para ver o que acontece com a gente, hoje.

10 - Interpretar a vida com a ajuda da Bíblia. Na leitura orante da Bíblia, o objetivo último não é interpretar a Bíblia, mas interpretar a vida. Celebrar a palavra viva que Deus fala hoje na vida de cada um, na vida do povo, na realidade do mundo em que se vive.

Fonte: http://garotada-diretrizes.blogspot.com.br/

quarta-feira, 27 de abril de 2016

TESTEMUNHO: Missionários calabrianos partem para Angola e Paraguai

Mais um missionário parte para Angola. Desta vez, é o pe. Edimilson José da Silva, religioso da Congregação dos Pobres Servos da Divina Providência. Depois de ter celebrado o envio em Farroupilha (RS), viajou, em fevereiro passado para Luanda. 

Vai somar-se a outros missionários da Congregação, bem como ao trabalho das religiosas. Aqui seu depoimento de despedida do Brasil: “Angola, um Sonho. Se fosse escolher um tema para essa matéria, seria este, pois terei a graça de concretizá-lo.

Este sonho de ser missionário em Angola começou desde o início da minha caminhada vocacional no ano de 1998, em nossa casa de formação em Campo Grande MS. Dois religiosos da nossa congregação foram dar testemunho das suas experiências em Angola. 

Esse testemunho alegre e emocionante foi o marco para meu sonho de ser missionário como eles. Destaco que neste período eles viviam no país em conflitos internos, ou seja, guerra civil. A partir da primeira conversa com os superiores da delegação (província) no ano de 2000, fui me colocando à disposição e a cada novo superior eu manifestava o meu sonho. Nesta espera participei de diversas atividades religiosas em Campo Grande-MS, Porto Alegre - RS, Feira de Santana-BA e Ponta Porã-MS. 




Quando recebi a obediência para ir a Angola, meu superior me disse que eu poderia pensar antes de responder. Eu disse, esperei tanto tempo e minha resposta é sim. Eu vou. Isso em meio a uma grande emoção. Estou aqui na capital Luanda e acompanharei a formação dos postulantes, em sua caminhada em preparação para consagração na Vida Religiosa. Minha missão em Angola é por tempo indeterminado e meu desejo é que seja por muitos anos. 

A minha grande expectativa é de ser sinal da presença de Deus na vida daqueles que o próprio Senhor me confiou. Vou para somar e ajudar naquilo que precisarem. Como diz São João Calábria, nosso Fundador “DISPOSTO A TUDO”. Missão junto aos pobres do Paraguai Os primeiros meses serão de observação da cultura, procurando adaptar-me aos novos costumes, antes de tudo. O idioma é o português de Portugal. 

Isso na verdade já favorece muito a própria comunicação. Estou mais que feliz por este chamado que o Senhor me fez e rezo para que chame outros para as Missões Além Fronteiras. Pela intercessão de Mamã Muxima (Nossa Senhora da Angola) o Deus da Vida vos abençoe! Conto com vossas orações!” Na celebração do envio, também foi confirmado o Pe. Rozalino Vanzin como missionário no Paraguai.

Aos dois novos missionários muita coragem, fé e persistência. É o que deseja as Pontifícias Obras Missionárias. 

Fonte: http://pom.org.br/download/jornal/jpm_44_mar_2016.pdf

terça-feira, 26 de abril de 2016

Senta que lá vem a história: Deus é como açúcar

Um certo dia um homem foi em uma escola falar de DEUS.

Chegando lá perguntou se as crianças conheciam a Deus, e elas responderam que sim. 

Continuou a perguntar e elas disseram que Deus é o nosso pai, que ele fez o mar, a terra e tudo que está nela, que nos fez como filhos Dele, etc.

E o homem se impressionou com a resposta dos alunos e foi mais longe: "Como vocês sabem que Deus existe, se nunca ninguém O viu?" 

A sala ficou toda em silêncio, mas Pedro, um menino muito tímido, levantou as mãozinhas e disse: "A minha mãe me disse que Deus é como o açúcar no meu leite que ela faz todas as manhãs. 

Eu não vejo o açúcar que está dentro da caneca no meio do leite, mas se ela tira, fica sem sabor. 

Deus existe, e está sempre no meio de nós, só que não O vemos; mas se Ele sair de perto, nossa vida fica sem sabor..." 

O homem sorriu e disse: "Muito bem Pedro, eu agora sei que Deus é o nosso açúcar e que está todos os dias adoçando a nossa vida..." Deu a bênção e foi embora da escola surpreso com a resposta daquela criança. 

Jesus quer tornar a nossa vida muito abençoada, mas para que isso aconteça é necessário deixarmos que Deus faça milagres e uma grande transformação em nosso coração. Bom dia a todos, e não esqueçam de colocar "AÇÚCAR" em suas vidas!


Fonte:http://www.catequisar.com.br/mensagem

segunda-feira, 25 de abril de 2016

AMÉRICA/EQUADOR - Missionário: “Precisam do nosso apoio e da nossa oração”


Esmeraldas (Agência Fides) – Pe. Luis Fernando Criado Reca, sacerdote diocesano espanhol de Jaen, é missionário no Equador há 12 anos. Atualmente é pároco na região setentrional da província de Esmeraldas, no confim com a Colômbia. É uma área marginalizada e muito pobres; quase toda habitada por pessoas de origem afro-americana, que em grande parte vivem abaixo da linha da pobreza. A Fides recebeu este testemunho sobre o terremoto que sacudiu o Equador, tendo como epicentro justamente esta área: 
“Sábado, 16 de abril, poucos momentos antes de iniciar a missa na comunidade de Lagarto, sentimos um forte terremoto, que nos deixou no escuro. Corremos todos para fora da igreja, mas a terra tremia e continuava a tremer. Depois do susto inicial, retornamos ao templo, e celebramos a missa à luz de velas. Agradecemos ao Senhor também por estarmos vivos. Seguiu-se uma noite longa e escura, durante a qual conseguimos saber pouco sobre o que havia acontecido e as consequências do terrível tremor de terra. 
A província meridional de Esmeraldas e de modo especial a província de Manabì, foi muito atingida pelo cismo. Cidades como Portoviejo, Manta, Canoa e Pedernales foram destruídas. Depois do terremoto, o país se mobilizou e a solidariedade não cessou. Voluntários provenientes de todos os lugares estão trabalhando na coleta de água, cobertores e gêneros alimentícios não perecíveis. 
Estas comunidades precisam de nosso apoio, das coisas mais elementares e de nossas orações, pedindo ao Senhor da vida que lhes dê a força para enfrentar serenamente o desastre, para que a sua fé não lhes falte e consigam ter a coragem de ir avante”.
Atualmente, o país está em estado de emergência nacional. O número de vítimas, segundo dados do governo, aumentou para 507, e o ministério da defesa estima que haja 231 desaparecidos. Segundo outros testemunhos recebidos pela Fides, não é possível verificar os números exatos. Alguns centros urbanos perto da fronteira com a Colômbia estão inacessíveis, pois as estradas estão completamente destruídas, e não se pode saber o estado real da tragédia. 
(CE) (Agência Fides, 20/04/2016)


Fonte: http://www.fides.org/pt

sábado, 23 de abril de 2016

Dica de atividade: Ano de Misericórdia

Olá caríssimos missionários

Nossa dica de hoje é reunir seu grupo para conversar sobre o Ano Santo da Misericórdia. Temos estes desenhos que irão nos ajudar a colocar na prática as obras de Misericórdia

Mande para nós fotos do seu grupo realizando essa atividade, para email iam.osasco@gmail.com. 

"De todas as crianças e adolescentes do mundo, sempre amigos"






Fonte: http://tiapaulalimeira.blogspot.com.br/

sexta-feira, 22 de abril de 2016

Oração para a criança no ventre materno

Pai Celestial, eu Te louvo e agradeço por permitires esta vida e por formares esta criança à Tua imagem e semelhança. Envia o Teu Espírito Santo e ilumina meu útero. Enche-o com Tua luz, poder, majestade e glória, assim como fizeste no ventre materno de Maria para gerar Jesus.
Senhor Jesus Cristo, vem, com Teu amor e Tua infinita misericórdia, derramar a Tua graça sobre esta criança.
Remove qualquer negatividade que possa ter sido transmitida a ela, consciente ou inconscientemente, bem como toda e qualquer rejeição. Se em algum momento pensei em abortar, eu renuncio agora!
Lava-me de toda e qualquer herança de maldição que veio dos nossos antepassados; toda e qualquer doença genética ou mesmo transmitida por infecção; toda e qualquer deformidade; todo tipo de vício que ela possa herdar de nós, seus pais. Lava esta criança com Teu precioso Sangue e enche-a com Teu Espírito Santo e Tua Verdade. Desde já, eu a consagro a Ti, pedindo que a batize no Teu Santo Espírito e que sua vida seja fecunda no Teu infinito amor.
Lava em Teu Sangue toda a contaminação vinda do ocultismo, de benzimentos, do espiritismo, de comidas ou bebidas consagradas. Sei que foi Teu Espírito Santo quem a fecundou em meu seio e sei que Ele é capaz de fazer novas todas as coisas, por isso estou suplicando.
Maria, mãe de Jesus, vem e me ensina a cuidar desta criança como cuidaste de Jesus em Teu ventre materno. Envia, Senhor, Teus anjos, para que intercedam por esta criancinha diante de casa pessoa da Santíssima Trindade.
Obrigada, Pai, por esta linda criança.
Obrigada, Espírito Santos, por inundares esta criança de graças.Obrigada, Jesus, por curares esta criança.A todos a Vós entrego. Que ela honre e glorifique a Deus agora e por toda eternidade. Amém. Aleluia. Amém.

Fonte: cancaonova.com

quinta-feira, 21 de abril de 2016

FORMAÇÃO: Ano da Misericórdia

Olá caríssimos missionários,

Neste ano o Papa Francisco nos concedeu viver o Ano Santo da Misericórdia. Você sabe o que é o ano da Misericórdia? 

Nós desafiamos você e seu grupo da IAM a fazerem uma pesquisa e nos mandar o que acham de mais importante neste Ano Santo. 

Uma dica, vamos rezar juntos com a Ave-Maria por todas as crianças e adolescentes do mundo, uma Salve-Rainha, está é uma oração lindíssima que também fala da Mãe de Misericórdia. 

Os desenhos abaixo vão nos ajudar a ensinar nossos pequeninos a viver as obras de misericórdia, como gesto concreto do ano da Misericórdia. 

De todas as crianças e adolescentes do mundo, sempre amigos!

Em breve uma matéria com a formação sobre o Ano da Misericórdia para crianças e adolescentes....



Fonte: http://tiapaulalimeira.blogspot.com.br/

quarta-feira, 20 de abril de 2016

TESTEMUNHO: Regional Sul 3 envia três missionários para Moçambique

Em fevereiro passado, o Conselho Missionário Regional (Comire) do Regional Sul 3 da CNBB, esteve reunido em Porto Alegre, com o objetivo de promover a articulação da ação missionária no Rio Grande do Sul e avaliar as atividades do ano. Na ocasião, o bispo da Diocese de Osório (RS) e referencial da dimensão missionária do Regional, Dom Jaime Pedro Kohl, anunciou os três novos missionários, que partirão para a missão em Moçambique. “Estamos enviando missionários além-fronteiras.




 Os três nomes são: Maria Roseclair Ribas, leiga, engenheira agrônoma, pertence à arquidiocese de Porto Alegre; padre Domingos Manoel Lopes, do clero de Bagé, e o padre Luiz Alves da Costa, da diocese de Itabuna, na Bahia”, revelou Dom Jaime Pedro. Na cidade de Osório, o Conselho Missionário Regional (Comire) Regional Sul 3 da CNBB promoveu um encontro de experiências missionárias, na Cúria Diocesana de Osório (RS). 

O encontro, contou com a participação de bispos, padres e leigos envolvidos com a animação missionária ad gentes, do Rio Grande do Sul. Segundo o bispo Dom Jaime Pedro Kohl, o objetivo do encontro consistiu em uma partilha fraterna de experiências entre os missionários que estiveram colaborando com o Projeto Igreja Solidária da diocese da Nampula, localizada no norte de Moçambique, como os padres Domingos Manoel Lopes e Luiz Alves da Costa, e ainda com a leiga Maria Roseclair Ribas. 

Em fase final de preparação eles contaram como decidiram abraçar o Projeto Igrejas Solidárias do Rio Grande do Sul que, em mais de 20 anos, já enviou cerca de 50 missionários e missionárias para a Diocese de Nampula. Moçambique receberá reforço de mais três missionários Para o padre Maurício Jardim, da arquidiocese de Porto Alegre, que de 2008 a 2012 colaborou com o projeto em Moçambique, ser enviado pela Igreja no Rio Grande do Sul requer alguns elementos básicos para adaptação.

 “Ao chegar é importante uma atitude de escuta, de respeito, de diálogo e observar a realidade. Logo o missionário participa de um curso para inserção na Igreja de Moçambique, que precisa muito de leigos, padres e irmãs”, afirmou. 

Já para o casal Edenilson dos Santos Costa e Camila Maciazeki Gomes, que permaneceram um ano em Moçambique, a experiência foi "maravilhosa". “Para nós, cada dia era uma experiência nova e tudo foi gratificante. Destacamos a convivência e a alegria do povo. 

É um povo que tem muito a dar, apesar de toda dificuldade que passa. Eles nos ensinam muito e vale a pena partir em missão”, afirmaram. De acordo com o arcebispo de Porto Alegre e presidente do Regional Sul 3 da CNBB, Dom Jaime Spengler, a Igreja tem a missão como algo próprio de seu DNA. 

“Conversamos sobre a presença da Igreja no Rio Grande do Sul e de outras expressões do Brasil neste projeto de solidariedade com a Igreja de Moçambique. 
Fazemos votos para os que lá estão e os que estão indo possam ajudar a promover ainda mais essa dimensão evangelizadora da Igreja. Quem se sente tocado, encontrado e atingido pelo Evangelho não pode não desejar partilhar e compartilhar essa experiência fundamental. Que possamos crescer mais neste espírito de solidariedade entre nossas igrejas”, avaliou Dom Jaime. 

Fonte: http://pom.org.br/download/jornal/jpm_44_mar_2016.pdf

terça-feira, 19 de abril de 2016

Senta que lá vem a história: A Borboleta e a Flor

Certa vez um homem pediu a Deus uma flor e uma borboleta, mas Deus lhe deu um cacto e uma lagarta. O homem ficou triste, pois não entendeu o porquê do seu pedido vir errado. 
E então, pensou: "Também, com tanta gente prá atender..." Mas, desistiu, e resolveu não questionar. 
Passado algum tempo, o homem foi verificar o pedido que deixara esquecido. Para sua surpresa: Do espinhoso e feio cacto havia nascido a mais bela das flores. 
E a horrível lagarta transformara-se em uma belíssima borboleta. Então, meu amigo, reflita: Deus sempre age certo. O Seu caminho é o melhor, mesmo que aos nossos olhos pareça estar dando tudo errado. 
Mesmo se você pediu a Deus uma coisa e recebeu outra, confie! Tenha a certeza de que Ele sempre te dá o que você precisa no momento certo! Mas... Nem sempre o que você deseja... 
É o que você precisa! Como nosso amoroso Deus nunca erra, siga em frente sem murmurar ou duvidar. O espinho de hoje... Será a flor de amanhã!


Fonte: http://jesusinfantil.blogspot.com.br/2010/06/historias-para-refletir.html

segunda-feira, 18 de abril de 2016

ÁSIA/MIANMAR - De cada cinco menores, um trabalha ao invés de ir à escola



Yangon (Agência Fides) – De cada cinco menores birmaneses, na faixa de idade entre 10 e 17 anos, um trabalha ao invés de ir à escola, comprometendo o seu desenvolvimento pessoal e profissional, além de prejudicar as perspectivas para o futuro. 
Os dados emergiram no relatório intitulado “Emprego e Indústria”, que reúne alguns resultados do censo efetuado em 2014 no setor profissional. Segundo este documento, 1 milhão e 700 mil menores estão fora do sistema educacional porque trabalham. 
O relatório, de cuja notícia foi enviada à Agência Fides, não leva em consideração a situação de um milhão e 100 mil apólidas Rohingya, e refere também a situação dos idosos com mais de 65 anos, entre os quais 1/5 continua a trabalhar no setor agrícola, da pesca ou da madeira. Existe ainda uma forte discriminação entre os sexos, já que 85% dos homens entre 15 e 64 anos trabalha em relação à metade das mulheres inseridas no mercado de trabalho. 
O censo de 2014 foi o primeiro em 30 anos. No total, em Mianmar vivem 51 milhões de pessoas, inclusive os Rohingya no Estado de Rakhine. Somente 1/3 das casas tem eletricidade, a mortalidade infantil é de 62 a cada 100.000 nascidos vivos e expectativa de vida é de 66,8 anos. (AP) (13/4/2016 Agência Fides)

Fonte: http://www.fides.org/

sábado, 16 de abril de 2016

Dica de atividade: O rei Davi

Olá caríssimos missionários, 

A dica de hoje é a leitura da história de um rei, no primeiro livro de Samuel, capitulo 16, podemos conhecer um pouco da história tão bonita do Rei Davi. 

Imprima pinte e cante conforme o desenho abaixo.

"De todas as crianças e adolescentes do mundo, sempre amigos!"


sexta-feira, 15 de abril de 2016

Oração de Gabriel Arcanjo

s, Anjo da encarnação, mensageiro fiel de Deus, abri os nossos ouvidos para que possam captar até as mais suaves sugestões e apelos de graça emanados do coração amabilíssimo de Nosso Senhor. Nós vos pedimos que fiqueis sempre junto de nós para que, compreendendo bem a Palavra de Deus e Suas inspirações, saibamos obedecer-lhe, cumprindo docilmente aquilo que Deus quer de nós. Fazei que estejamos sempre disponíveis e vigilantes. Que o Senhor, quando vier, não nos encontre dormindo.
São Gabriel Arcanjo, rogai por nós. Amém.

quinta-feira, 14 de abril de 2016

Formação: Conselhos do Papa Francisco para a educação dos filhos

“Filhos, obedecei em tudo aos vossos pais, pois isso agrada ao Senhor. Pais, não irriteis vossos filhos, para que eles não percam o ânimo” (Colossenses 3,20-21).
No versículo apresentado acima, São Paulo nos ajuda a perceber o quão tênue é, na educação, a linha entre a firmeza necessária e a rigidez exagerada. Os pais são chamados a educar seus filhos numa época em que se observa uma grande parcela de famílias que abrem mão desse processo educativo para as escolas ou igrejas. Nossos avós já diziam, com sabedoria, que educação começa em casa ou ainda que se herda de berço. De acordo com o Papa Francisco, a família tem a característica essencial, portanto, “vocação natural de educar os filhos para que cresçam na responsabilidade de si e dos outros”.

Pais e filhos

O trecho apresentado na Carta de São Paulo aos Colossenses apresenta uma regra sábia:
“…o filho que é educado a escutar os pais e a obedecer aos pais, os quais não devem operar de maneira bruta, para não desanimar os filhos. Os filhos, de fato, devem crescer sem se desanimar, passo a passo. Se vocês pais dizem aos seus filhos: ‘Vamos subir nessa escada’ e pegam a mão deles e passo após passo os fazem subir, as coisas irão bem. Mas se vocês dizem: ‘Vá em frente!’ – ‘Mas não posso’ – ‘Vá!’, isso se chama irritar os filhos, pedir aos filhos as coisas que não são capazes de fazer. Por isso, a relação entre pais e filhos deve ser de uma sabedoria, de um equilíbrio tão grande. Filhos, obedeçam aos pais, isso agrada a Deus. E vocês pais, não irritem os filhos, pedindo-lhes coisas que não podem fazer. E isso é necessário ser feito para que os filhos cresçam na responsabilidade de si e dos outros”.

Investir tempo na educação

Entre as dificuldades enfrentadas por muitos pais, Francisco recorda a falta de tempo. “É difícil educar para os pais que veem os filhos somente à noite, quando voltam para casa cansados do trabalho”, reconhece. Por outro lado, em épocas de crise, o Santo Padre reconhece que são bem-aventurados aqueles que têm um emprego para sustentar seu lar.

Filhos reféns de separações

O Papa elenca ainda desafios como a separação; porém adverte que jamais o filho pode ser tomado como “refém” nessa situação. “Tantas vezes o filho é tomado como um refém, e o pai fala mal da mãe e a mãe fala mal do pai, e isso faz tanto mal”, exorta.
“Digo aos pais separados: nunca, nunca, nunca tomem o filho como refém! Vocês se separaram por tantas dificuldades e motivos, a vida deu essa prova a vocês, mas os filhos não sejam os que levam o peso dessa separação, não sejam usados como reféns contra o outro cônjuge, cresçam ouvindo que a mãe fala bem do pai, embora não estejam juntos, e que o pai fala bem da mãe. Para os pais separados, isso é muito importante e muito difícil, mas podem fazê-lo”.
Como educar?
Diante dessa pergunta, o Papa Francisco apresenta uma outra questão: “Quais tradições temos hoje para transmitir aos nossos filhos?”. O Pontífice apresenta um balanço dessa busca por educação na história, ao destacar que intelectuais “críticos” silenciaram os pais para defender as jovens gerações de danos – verdadeiros ou presumidos – da educação familiar. Entre os erros, autoritarismo, favoritismo, conformismo e repressão afetiva.

Educar, papel de quem?

O Santo Padre reconhece que a parceria na educação entre família e escola foi rompida por uma ameaça da confiança recíproca. Constata-se que, por exemplo, foram afetadas as relações entre pais e professores na escola. Diante dessa fragilidade e pouca busca por conhecimento ou imaturidade, muitos pais estão abrindo mão de sua responsabilidade e atribuindo aspectos da educação a pessoas que se dizem “Superespecialistas” em vida afetiva, personalidade e desenvolvimento. Privados do seu papel, o resultado tem sido pais excessivamente apreensivos e possessivos na relação com eles chegando ao ponto de nunca corrigir os filhos. Ao dar ouvidos a essas orientações que se vê em programa de TV apelativos, os pais colocam os filhos no canto sozinhos, correndo o risco de se autoexcluir da vida deles. O Papa afirma que atitudes desse tipo são gravíssimas já que os filhos necessitam de limites e correção.
Eu recordo um acontecimento pessoal. Uma vez, quando eu estava na quarta série, disse uma palavra feia para a professora; ela, uma mulher brava, chamou minha mãe. Ela foi no dia seguinte à escola. Falaram entre si e depois fui chamado. Minha mãe, diante da professora, explicou-me que aquilo que eu fiz foi uma coisa ruim, que não se devia fazer. A mãe fez isso com tanta doçura e me pediu para pedir perdão, diante dela, à professora. Eu o fiz e depois fiquei contente, porque disse: “terminou bem a história”. Imaginem vocês se a professora faz uma coisa desse tipo! No dia seguinte, os pais a reprova, porque os “especialistas” dizem que as crianças não devem ser repreendidas assim. As coisas mudaram! Mas os pais não devem se autoexcluir da educação dos filhos.
Um risco apresentado pelo Papa Francisco é a falta de tempo gerada pelo excesso da carga horária de trabalho. Ele observa que a vida se tornou mesquinha de tempo para falar, refletir e confrontar-se. Muitos pais e mães “sequestrados” pela vida profissional e outras preocupações sentem-se envergonhados em admitir que a chegada dos filhos traz novas exigências. Diante dessa ausência, muitos pais se aventuram em um “dialoguismo” superficial, não levam a um verdadeiro encontro da mente e do coração. Aí, o Papa propõe algumas reflexões:
“Procuramos entender ‘onde’ os filhos estão verdadeiramente em seu caminho? Onde está realmente a alma deles, sabemos? E sobretudo: queremos saber? Estamos convencidos de que esses, na realidade, não esperam outra coisa?”

Comunidades cristãs como apoio à missão educativa

O Santo Padre chama a atenção das comunidades cristãs para a responsabilidade de oferecer apoio à missão educativa das famílias, à luz da Palavra de Deus.
“Na base de tudo está o amor, aquele que Deus nos dá, que ‘não falta com respeito, não procura o próprio interesse, não fica com raiva, não faz conta do mal recebido… Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta'(1 Cor 13,5-6)”.

Suportar-se em família

Como acontece nas melhores famílias, o Papa diz que é preciso paciência para se suportar e que não há fórmulas prontas, porque a vida se faz na realidade. E aqui recordamos nossos pais que conseguiram transmitir a educação a nós com tanta simplicidade. Pais cristãos cheios de sabedoria humana mostram que a boa educação familiar é a coluna vertebral do humanismo. Tal ensinamento provoca uma “irradiação social”, que permite compensar lacunas, feridas, vazios de paternidade e maternidade. Esse amor que se transforma em “irradiação” pode fazer autênticos milagres como podem ser vistos na Igreja todos os dias.
Pais e mães retornem do exílio
“Desejo que o Senhor dê às famílias cristãs a fé, a liberdade e a coragem necessárias para a sua missão. Se a educação familiar encontra o orgulho do seu protagonismo, muitas coisas mudarão para melhor, para os pais incertos e para os filhos desiludidos. É hora dos pais e das mães retornarem do seu exílio – porque se exilaram da educação dos filhos – e reassumirem plenamente o seu papel educativo. Esperamos que o Senhor dê aos pais esta graça: de não se autoexilar na educação dos filhos. E isto somente o amor, a ternura e a paciência podem fazer.
Fonte: cancaonova.com

quarta-feira, 13 de abril de 2016

TESTEMUNHO: Missionárias Claretianas nas Filipinas

As missionárias claretianas estão estabelecidasem 17 países, sendo que nas Filipinas atuam no sul do país na cidade de Bunguiau. Uma de suas missionárias é a brasileira Ir. Lázara Siqueira que acabou de dar um giro pela Índia, Siri Lanka, visitando outras sedes missionárias. O carisma especial da Congregação é evangelizar os jovens. 



Aqui o testemunho de Ir. Lázara: “O CHAMADO DO SENHOR! A palavra do Senhor veio a mim: “Antes que te formasse no ventre te conheci, e antes que saísses da mãe, te santifiquei; às nações te dei por profeta” (Jer. 1:4). 
Como animadoras vocacionais, sabemos que o chamado a seguir Cristo mais de perto vem de Deus... Ele é aquele que nos chama e continua a chamar em qualquer lugar do mundo. 

A nossa missão é a de ajudá-los a responder ao chamado de Deus... Com isso em mente, nós (Ir Lázara e Irmã Sheeja) deixamos o aeroporto de Kochin/India, indo para o Sri Lanka (antiga Ceylon). Durante as quatro semanas no Sri Lanka, visitamos Colombo, Mannar e Jaffna. O senhor nos permitiu conhecer muitas As Missionárias de Santo Antônio Maria Claret, também chamadas Missionárias Claretianas, é uma Congregação fundada em Londrina – Paraná – Brasil, no dia 19 de março de 1958, por Dom Geraldo Fernandes Bijos e Madre Leônia Milito. 

Surgiu como resposta às necessidades de mais evangelizadores para a América Latina e de pessoas dispostas a consagrar sua vida a Deus e aos irmãos especialmente a serviço dos mais pobres. Enriquecida pelo dinamismo do Espírito Santo e fiel ao princípio de fundação, a Congregação foi alargando seu horizonte de atuação e, como quis Jesus, chegou rapidamente a todas as partes do mundo.

Hoje, a Congregação, que tem sua sede administrativa e casa da fundação em Londrina, está presente em 17 países, nos cinco continentes. Alicerçadas na Eucaristia e vivendo o lema Bondade e Alegria, as Irmãs Missionárias Claretianas, reconhecem que sua vocação é colocar-se inteiramente à serviço da missão evangelizadora da Igreja, dar glória a Deus no cumprimento de sua vontade e assemelhar-se a Jesus em suas atitudes de doação aos irmãos.
A fecundidade deste Carisma se manifesta generosamente, através das irmãs claretianas, dos leigos membros do Instituto Claretiano de Leigos Missionários – ICLEM e das consagradas leigas da Fraternidade Eclesial Claretiana – FEC. 

Unidos em torno deste ideal comum, na resposta à própria vocação, concretizam o Carisma de ser no mundo uma especial presença de Jesus Missionário do Pai e Redentor da humanidade. Claretianas uma congregação brasileira candidatas e suas famílias. 

Falamos a elas da nossa congregação, do nosso carisma, espiritualidade e missão. Algumas aceitaram o convite e em breve entrarão em nossa congregação, demonstrando um desejo profundo de seguir a Cristo mais de perto seguindo o exemplo de Madre Leonia e Dom Geraldo Fernandes, nossos Fundadores e de muitos outros Missionários/as entusiastas da propria vocação”. 

Fonte: http://pom.org.br/download/jornal/jpm_45_abr_2016.pdf

terça-feira, 12 de abril de 2016

Festa do Sorvete - Paróquia Nossa Senhora de Nazaré

Senta que lá vem a história: Todos os pais são diferentes

todos os pais

Era uma manhã de Inverno, frio e chuvosa.
A Professora Adelaide pediu a todos que tirassem os sapatos molhados e os colocassem junto do aquecedor.

— Vamos, venham aquecer-se — disse ela, esfregando as mãos com força.
Ninguém dera pela falta da Sofia, até que a porta se abriu lentamente.
A Sofia estava toda a pingar. Era difícil perceber se tinha a cara molhada da chuva ou das lágrimas.
— Vem cá, Sofia — disse a professora, com voz suave. — Vamos tirar esse casaco e esses sapatos molhados.
— Podes contar-nos o que aconteceu?
— O meu pai fez as malas e saiu de casa — soluçou a Sofia.
A Professora Adelaide apertou a Sofia contra o seu casaco quentinho e disse:
— Vamos falar dos nossos pais.
— O meu pai está no hospital — começou o João.
— Eu tenho dois pais — disse a Beta.
— Eu só tenho um pai — disse Milly.
— O meu pai está na tropa e eu só o vejo às vezes — acrescentou o Tiago.
— O meu pai está todos os dias em casa — disse o Toni.
— Eu só passo as férias com o meu pai, porque ele agora tem outra família — disse a Pipa.
— O meu pai está numa cadeira de rodas — disse o Hugo.
— O meu pai adoptou-me quando eu tinha um ano — disse a Molly.
— O tio Rui toma conta de mim como um pai — acrescentou o Jorge, pensativo.
— O meu pai é cego — disse a Magui.
— O meu pai morreu o ano passado — disse Alfredo, baixinho.
— E o meu pai morreu quando eu tinha seis anos — confessou a Professora Adelaide.
A Sofia sentou-se entre Milly e Molly.
— O meu pai é surdo — disse a Sofia, com voz suave.
— Ora aí está — disse a Professora Adelaide. — Todos os pais e todas as famílias são diferentes. É mesmo assim.
Gill Pittar
Milly Molly – Tomo II
Rio de Mouro, Everest Editora, 2006

segunda-feira, 11 de abril de 2016

2ª Formação Missionária para os assessores da IAM da Diocese de Osasco

Hoje tivemos a 2° Formação Missionária para os assessores da IAM da Diocese de Osasco. Foi uma manhã abençoada e muito instrutiva. Contamos com a presença de Marcos, que é formado em Teologia, professor de Teologia e assessor do curso teológico da Diocese de Osasco.

O tema deste mês foi "O ser missionário e o Ano da Misericórdia", explicando o que vem a ser este ano jubilar, como vivê-lo e quais as relações com as atividades missionárias da Igreja e da IAM. 

Contamos com a participação das paróquias Nossa Senhora de Nazaré, Cristo Ressuscitado, Nossa Senhora das Gracas, São José e Santa Rita de Cassia. Esperamos você na próxima formação (em junho!!)


De todas as crianças e adolescentes do mundo: Sempre Amigos!




ÁSIA/PAQUISTÃO - Arcebispo de Lahore: “Aos feridos digo: a paz esteja convosco”


Lahore (Agência Fides) – “Neste momento de profunda dor e luto, em uma situação dramática, podemos somente assumir a pregação de Jesus depois da Ressurreição e consolar os feridos e os sobreviventes com suas palavras “a paz esteja convosco”. Assim, o Arcebispo Sebastian Shaw relata à Agência Fides estes dias, em que está se esforçando para visitar os feridos na tragédia de Lahore, ocorrida no dia de Páscoa, quando 73 pessoas foram mortas e mais de 300 feridas em um atentado no parque Gulshan Iqbal.
O Arcebispo informa à Fides sobre o drama que testemunha: “Celebramos os funerais de 20 vítimas segunda-feira, 28 de março, em um clima de grande comoção. Agora, visito os feridos no Sheikh Zaid Hospital e no Jinnah Hospital, aonde estão sendo curados. São cristãos e muçulmanos, que nossas religiosas e voluntários curam e assistem, constantemente. É muito, muito difícil consolá-los. Não existem palavras para consolar uma mãe que tem duas crianças de 4 e 6 anos gravemente feridas, enquanto o marido e outro filho foram mortos. Uma autêntica tragédia. A esperança pode vir somente de Deus”. “Outra mãe – prossegue Dom Shaw – perdeu seus dois filhos e o marido. Ela veio a Lahore da província de Sindh, para a Páscoa. Perdeu toda a família: voltará sozinha para casa. Sua vida não é a mesma. Como é possível consolá-la?. “As únicas palavras possíveis – observa – são as de Jesus: “a paz esteja convosco”. O Arcebispo continuará a visitar os feridos e a rezar; e conclui com um apelo entregue à Fides: “Precisamos de orações para poder prosseguir na missão que nos foi confiada por Jesus ressuscitado: restituir paz e esperança a este povo ferido e desesperado”. (PA) (Agência Fides 31/3/2016)

Fonte:http://www.fides.org/

sexta-feira, 8 de abril de 2016

Oração de São Rafael pelos doentes

Ficai conosco, ó arcanjo Rafael, chamado Medicina de Deus! Afastai para longe de nós as doenças do corpo, da alma e do espírito e trazei-nos a saúde e toda plenitude de vida prometida por Nosso Senhor Jesus Cristo. Amém.
Ladainha de São Rafael
Cristo, tenha piedade de nós
Cristo, graciosamente nos escutai,
Deus Pai, tende piedade de nós,
Senhor, tenha piedade de nós,
Deus Filho, redentor do mundo,
Tenha piedade de nós,
Deus Espirito Santo,
Tenha piedade de nós,
Santa Trindade e Um só Deus,
Tenha piedade de nós
Santa Maria, rainha dos anjos ,rogai por nós.
São Rafael, rogai por nós
São Rafael, cheio da misericórdia de Deus, rogai por nós
São Rafael, perfeito adorador do Divino Mestre, rogai por nós
São Rafael, terror dos demônios, rogai por nós
São Rafael, exterminador dos vícios, rogai por nós
São Rafael, saúde dos doentes, rogai por nós
São Rafael, refugio em nossas necessidades, rogai por nós
São Rafael, consolador dos prisioneiros, rogai por nós
São Rafael, alegria dos tristes, rogai por nós
São Rafael, cheio de zelo para a salvação de nossas almas,rogai por nós
São Rafael, cujo nome significa cura, rogai por nós
São Rafael, amante da castidade rogai por nós
São Rafael, acoite dos demônios rogai por nós
São Rafael, nosso protetor na peste, na fome, na guerra rogai por nós
São Rafael, anjo da paz e da prosperidade rogai por nós
São Rafael, repleto da graça da cura, rogai por nós
São Rafael, guia seguro no caminho da virtude e santificação, rogai por nós
São Rafael, socorro de todos que imploram a sua ajuda rogai por nós
São Rafael, que guiou e consolou Tobias em sua jornada, rogai por nós
São Rafael, aquele que as Escrituras saúdam, como “Rafael o santo anjo do Senhor foi enviado para curar”, rogai por nós
São Rafael, nosso advogado, nos salve,
Cordeiro de Deus que tirastes os pecados do mundo,
Tenha piedade de nós,
Cristo, escutai nossas preces
Tenha misericórdia de nós.
São Rafael, rogai por nós a Nosso Senhor Jesus Cristo ,
Agora e na hora de nossa morte. Amém!

Senhor, tenha piedade de nós
Fonte: cancaonova.com

segunda-feira, 4 de abril de 2016

AMÉRICA/MÉXICO - Sem controle o número de menores que trabalham

Aguascalientes (Agência Fides) - Em todo o México possuem mais de 22 mil crianças trabalhadoras, muitos das quais não recebem nenhuma remuneração econômica. 
Numa nota da Confederação Regional dos Trabalhadores Mexicanos (Crom) de Aguascalientes, enviada à Agência Fides, os dirigentes fizeram um apelo às autoridades competentes para que aumentem os seus esforços para conter o fenômeno. 
Além disso, o responsável de Crom evidenciou que no país estão registados 333 mil e 839 crianças, 22 mil e 337 trabalhadores, e de acordo com as cifras do Instituto Nacional de Estatística e Geografia (INEGI) destes 22 mil, apenas 12 mil e 600 frequentam a escola. Mais de 4 mil e 825 não recebem nenhuma remuneração e não possuem apoio social. Nota-se que 7 a cada 10 crianças dos 22 mil estão envolvidos nos trabalho nos campos. (AP) (18/3/2016 Agência Fides)
Fonte: http://www.fides.org/

domingo, 3 de abril de 2016

É amanhã !!! Participação na Radio Frater

Caríssimos Missionários,
Amanhã dia 4 de abril a IAM da diocese de Osasco vai ter uma participação especial na web Radio Frater- Programa MissãoJovem, a partir das 20h.
Acompanhe conosco o programa, mande durante o programa mensagem pelo whatss app 94502-4004. Teremos um sorteio ao vivo.
"De todas as crianças e adolescentes do mundo sem amigos"

Frase de Santa Teresinha


sábado, 2 de abril de 2016

Oração de São Miguel Arcanjo

“Príncipe Guardião e Guerreiro defendei-me e protegei-me com Vossa Espada.
Não permita que nenhum mal me atinja.
Protegei-me contra assaltos, roubos, acidentes e contra quaisquer atos de violência.
Livrai-me de pessoas negativas e espalhai vosso manto e vosso escudo de proteção em meu lar, meus filhos e familiares. Guardai meu trabalho, meus negócios e meus bens.
Trazei a paz e a harmonia.
São Miguel Arcanjo, defendei-nos neste combate, cobri-nos com o vosso escudo contra os embustes e ciladas do demônio.
Instante e humildemente vos pedimos, que Deus sobre ele impere e vós, Príncipe da milícia celeste, com esse poder divino, precipitai no inferno a Satanás e aos outros espíritos malignos que vagueiam pelo mundo para perdição das almas.
Amém.”